Últimas Notícias

Casa do Cantador vai virar centro de referência para literatura de cordel

Foto: Agência Brasil/EBC

Brasília vai ganhar um centro de referência de literatura de cordel na Casa do Cantador, em Ceilândia, equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).

A Biblioteca do espaço, que hoje conta com 800 títulos no formato de cordel e 700 livros, está passando por uma reestruturação, que inclui nova delimitação no perfil temático, voltado para a poesia, artes, cantorias, músicas e folclore do Nordeste, região do país de onde migraram trabalhadores que vieram para a construção da capital federal, radicando-se depois na região administrativa. Dentro deste contexto, surgiu a ideia de se criar uma Cordelteca.

A reforma do espaço prevê que as janelas irão receber proteção contra luz solar e calor, a decoração será temática, contando com tapetes e almofadas produzidos pela comunidade em oficinas. Adesivos em padrões de xilogravuras estamparão as paredes, e os tradicionais varais de cordéis também estão presentes, compondo um ambiente acolhedor e convidativo para a leitura e a permanência, informa a gerente de acervos da Subsecretaria do Patrimônio Cultural (Supac), Aline Ferrari de Freitas.

Cordéis e livros serão classificados e ficarão disponíveis para consulta no Sistema Interligado de Bibliotecas Públicas e Escolares do DF, pelo software Koha. A previsão de inauguração é 10 de dezembro, a tempo para o aniversário de 60 anos de Brasília em 2020. A cordelteca permitirá a realização de oficinais ligadas ao tema, além de ser um espaço de leitura e convivência social.

“A Casa do Cantador vai ressurgir ainda mais vigorosa com a cordelteca, mais equipada para divulgar o importante patrimônio cultural do Nordeste”, diz o subsecretário da Supac, Cristian Brayner.

A previsão de inauguração é 10 de dezembro e o espaço receberá o nome de João Melchiades Ferreira (1869-1933). Esse paraibano, conhecido como “O Cantor da Borborema”, foi um cantador e poeta de literatura de cordel. É considerado um dos grandes nomes da primeira geração de cordelistas nordestinos.

“É uma excelente escolha”, diz Danglei de Castro Pereira, professor de literatura brasileira na UnB é também pesquisador da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP/DF), que desenvolve pesquisas relacionadas a literatura e cultura com ênfase na cultura popular. Ele destaca a capacidade do cordel de se ajustar aos meios digitais, uma vez que a transmissão oral é parte da linguagem dessa plataforma. Há, na rede, segundo ele, grupos de discussão, sítios e canais no YouTube.

O estudioso afirma que o cordel há muito não é apenas um fenômeno nordestino, tendo passado por um processo de nacionalização, no qual os estados da federação, com ênfases distintas, se apropriaram da arte com recortes particulares. A literatura de cordel recebeu no ano passado o título de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro, registro dado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O especialista da UnB destaca que ao longo dos anos, o cordel vem ganhando modificações em seu processo de construção, com mudanças no uso da xilogravura, modos de impressão, e variações no modo de composição, mas sempre na esteira do cancioneiro popular, a partir da cultura fiel às tradições populares em aparente oposição ao erudito. Virou novela (Cordel Encantado, 2011), mas faz parte também de iniciativas sofisticadas, como a do Movimento Armorial de Ariano Suassuna, que busca criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste.

O presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC) – que tem sede no Rio –, Gonçalo Ferreira da Silva, festeja a intenção da Secec em criar a cordelteca no Cantador. “É uma ideia que aguarda há dez anos sua concretização e vem em boa hora”, avalia ele. Hoje existem 28 bibliotecas de cordel no país, com concentração no Nordeste. “O Ceará tem oito, mas é porque sou de lá e a demanda acaba sendo maior”, explica. Nascido em Ipu (CE), é autor de 300 cordéis e 30 livros.

“O cordel tem uma inteligência que possibilita que a linguagem se adapte às inovações tecnológicas. Foi incorporado pelo rádio, a TV e agora acha seu caminho na Internet. Sua beleza melódica e potencial artístico e pedagógico o tornam imortal, universal”, diz Silva.

Funcionário da Rádio MEC por 40 anos, começou a compor literatura de cordel a partir do contato com intelectuais como Sebastião Nunes Batista e Origenes Lessa, na Casa Rui Barbosa.

O “senhor Gonçalo”, como é conhecido, estuda uma doação de acervo dessas peças para a Casa do Cantador. Quem também quiser encaminhar exemplares ao espaço pode ligar no telefone (61)33256222 ou mandar para um desses endereços:

Biblioteca Nacional de Brasília

Setor Cultural da República, Área Cívica, Lote s/n Edifício da Biblioteca Nacional, DF, 70070-150

Casa do Cantador

QNN Quadra 32 Área Especial G – Ceilândia, Brasília – DF, 72220-327

Secretaria de Cultura e Economia Criativa

SDCN Via N2 Anexo do Teatro Nacional – Asa Norte, Brasília – DF, 70086-900

eldogomes.com.br

Por @EldoGomes | Jornalista Multimídia e YouTuber.