Em Brasília, advogado ressalta segurança cibernética e jurídica na rede

Um país para seu progresso, necessita de efetividade do desenvolvimento de uma cultura de segurança cibernética, oportunamente insurge-se como primordial políticas públicas para inovações, destacando-se a conscientização, a formação e a capacitação dentro de uma gestão de conhecimento estruturada, a fim de dar continuidade a todos os processos envolvidos, formando profissionais interdisciplinares e em função da dinâmica do surgimento e da obsolescência das competências de segurança cibernética.


Assim com o Decreto 10.222/2020 aprovando a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética “E-Ciber” recomenda a comercialização de 5G, atendendo requisitos mínimos de segurança cibernética que assegurem o uso pleno, responsável e seguro dessa tecnologia em prol do desenvolvimento da sociedade e das instituições nacionais.

O Brasil é o 2º com maior prejuízo com ataques cibernéticos, conforme destaque no NORTON CYBER SAFETY INSIGHTS REPORT, 2017.NORTON SECURITY. Disponível em: https://us.norton.com/cyber-security-insights-2017 Acesso em junho de 2019.

Nesse sentido com a progressão dos crimes e ataque cibernéticos, torna urgente a necessidade de um programa de capacitação de abrangência federal destinado à formação técnica e ao aprimoramento de recursos humanos com vistas a fortalecer a segurança cibernética nos órgãos de governo e nas empresas privadas.

“Assim aprovando a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética “E-Ciber” recomenda a comercialização de equipamentos 5G, atendendo requisitos mínimos de segurança cibernética que assegurem o uso pleno, responsável e seguro dessa tecnologia”, conta Leonardo Resende 


Como advogado militante na área do Direito Digital com expertise e MBA em Negócios Disruptivos, permanece membro da Comissão de Direito Digital, Tecnologias Disruptivas e Startups da OAB/DF e Câmara de Inovação e Tecnologia da Informação da FECOMÉRCIO/DF trabalhamos em junção interdisciplinares com escritório e uma equipe de profissionais altamente capacitados e especializados em demandas de Direito Digital.


Por @LeonardoResende |
Especialista MBA em NEGÓCIOS DISRUPTIVOS no IESB/DF, membro da Comissão de Direito Digital, Tecnologias Disruptivas e Startups da OAB/DF e
Câmara de Inovação e Tecnologia da Informação da FECOMÉRCIO/DF| [email protected]