Estudo aponta que locais com mais queimadas também tiveram mais desmatamento na Amazônia

Uma nota técnica de pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e da Universidade Federal do Acre mostra que o recente aumento no número de queimadas na Amazônia está diretamente relacionado ao desmatamento. Os dez municípios da região com mais alertas de desmatamento são também os que mais registraram focos de incêndio neste ano.

A correlação entre desmatamento e queimadas contraria o argumento de que os focos de incêndio deste ano seriam algo natural – decorrente apenas do período de estiagem no Norte do país.

A nota técnica também afirma que não é possível atribuir o aumento no número de focos de incêndio ao período seco: na verdade, a estiagem deste ano está mais branda na região do que em anos anteriores, quando o número de focos de incêndio foi menor.

“Os dez municípios amazônicos que mais registraram focos de incêndios foram também os que tiveram maiores taxas de desmatamento. Estes municípios são responsáveis por 37% dos focos de calor em 2019 e por 43% do desmatamento registrado até o mês de julho. Esta concentração de incêndios florestais em áreas recém-desmatadas e com estiagem branda representa um forte indicativo do caráter intencional dos incêndios: limpeza de áreas recém-desmatadas”, diz o texto.

Os municípios listados pelos pesquisadores, por ordem dos focos de incêndio, são: Apuí (AM), Altamira (PA), Porto Velho (RO), Caracaraí (RR), São Félix do Xingu (PA), Novo Progresso (PA), Lábrea (AM), Colniza (MT), Novo Aripuanã (AM) e Itaituba (PA).

Da BBC Brasil

eldogomes.com.br

Por @EldoGomes | Jornalista Multimídia e YouTuber.