O que esperar o setor de Turismo no pós-pandemia

A pandemia do Coronavírus afetou a sociedade e o mundo em todas as suas esferas, desde o comportamento até a economia. O Turismo foi um dos setores do mercado que mais sofreram com o isolamento social, em decorrência da pandemia.

De acordo com dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), o número de turistas internacionais teve uma redução de 900 milhões no ano de 2020, no período entre janeiro e outubro.

O Turismo, setor que promove o fluxo entre pessoas pelo mundo afora e o deslocamento constante dos indivíduos entre variados lugares, foi um dos primeiros itens a serem restritos no cenário de pandemia.

Com isso, várias empresas tiveram que encerrar as atividades, enquanto outras seguem se adaptando à nova realidade na espera de dias melhores.

Com a chegada da vacina em alguns países, o mercado do turismo vive a expectativa da retomada das atividades em maior escala, mas as previsões para o turismo pós-pandemia podem ser de novas demandas e prioridades.

Neste post vamos falar sobre quais as grandes transformações para o setor, quais as tendências do turismo para os próximos anos, a influência da transformação digital nesse mercado e quais as perspectivas para esse setor no futuro.

O impacto da pandemia no Turismo

O turismo é um setor baseado na mobilidade urbana e é essencial o deslocamento das pessoas, o que envolve um fluxo constante de indivíduos em aeroportos, rodoviárias, hotéis, dentre outros lugares. 

Todos esses elementos são uns dos principais fatores que influenciam para a transmissão do vírus e que foram restritos durante a pandemia. Com o isolamento social, as pessoas ficaram predominantemente dentro de casa, sem perspectivas de novas viagens ou passeios turísticos. 

Apesar de o impacto da pandemia no turismo ser evidente, os efeitos negativos desses fatos seguem aumentando e afetam algumas regiões com mais intensidade.

De acordo com estudos de Patrícia Sakowski, publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), algumas cidades brasileiras são dependentes do turismo de forma mais expressiva, como é o caso de Fernando de Noronha (PE), Jijoca de Jericoacoara (CE), Rio Quente (GO) e várias outras.

Todos esses municípios possuem uma taxa de dependência de turismo (TDT) acima de 50%, número significativo que ilustra a proporção dos impactos da pandemia nessas cidades. 

Assim como esses locais dependem diretamente do turismo, as empresas do setor também sofreram fortemente os impactos negativos da pandemia. Segundo a OMT as estimativas são de 100 a 120 milhões de empregos diretos em risco, grande parte em médias e pequenas empresas.

Dentre os diversos tipos de turismo, o turismo cultural foi sem dúvidas o mais prejudicado pela pandemia e um dos últimos que irá se recuperar após a crise.

Dentro deste cenário, há inúmeros funcionários e colaboradores que perderam seus empregos, empresas que fecharam as portas e milhares de pessoas que precisaram se reinventar no mercado para sobreviver à crise no setor do turismo durante a pandemia.

Em contrapartida, com a chegada da vacina, as perspectivas para o turismo mundial mudaram. Com restrições menos rígidas e mais flexíveis, é possível visualizar a retomada das viagens nacionais e internacionais e uma nova movimentação do turismo, principalmente nacional.

Novos protocolos de segurança nas viagens

Apesar de muitos países estarem avançando de forma significativa com a vacinação em massa, o vírus da Covid-19 segue em circulação pelo mundo, o que reforça a necessidade dos protocolos de segurança e da continuidade dos cuidados com o contágio.

Aos poucos, as cidades turísticas, hotéis e demais serviços relacionados ao turismo vão retomando as atividades, com novos protocolos de segurança e novos procedimentos a serem seguidos. Muitas empresas precisaram se adequar às novas restrições ao voltar às atividades. 

Companhias aéreas reformularam rotas e condutas de funcionamento, locais turísticos estão funcionando com capacidade de público reduzida, dentre várias outras medidas que foram adotadas para minimizar os impactos da pandemia e evitar o contágio do vírus.

Dessa forma, empresas e profissionais do turismo que não se adequarem às novas normas e procedimentos sofrerão ainda mais os impactos da pandemia nos próximos anos, pois a previsão para o cenário pós-pandemia são de viajantes ainda mais cautelosos com a saúde, a segurança e os cuidados com possíveis vírus.

Em um comunicado da ONU, a Organização Mundial de Turismo destaca a importância de resgatar a confiança dos viajantes por meio de protocolos de segurança e cuidados com o vírus. Desde a checagem da temperatura, distanciamento social, kits para viagens aéreas e o aumento da limpeza e higiene nas hospedagens. 

Todos esses fatores irão permanecer no imaginário das pessoas por alguns anos, mesmo nos anos pós-pandemia, alguns hábitos de atenção com a saúde e higienização permanecerão devido ao medo e receio causado pelo covid-19.

Transformação digital e o turismo pós-pandemia

A transformação digital foi um dos acontecimentos que mais foram atenuados durante a pandemia e é uma pauta muito atual no mercado.

A tecnologia transformou a forma como as pessoas se relacionam, consomem produtos e conteúdos, tudo isso impulsionado pelo isolamento social em decorrência da Covid-19. 

No setor de turismo, as demandas também mudaram e estão diretamente ligadas com o digital e as novas tecnologias. 

O viajante atual é moderno, está sempre conectado e quer o máximo de praticidade possível. Durante a pandemia, as pessoas foram ainda mais estimuladas a consumir o digital e se habituaram com os serviços online.

Muitas empresas do setor de turismo, dentre elas hotéis, pousadas e agências de viagem, tiveram que construir uma presença digital do zero e elaborar estratégias de marketing para manter um bom relacionamento com os clientes.

No cenário pós-pandemia, é ainda mais importante investir nas plataformas digitais e manter uma autoridade na web, com sites, blogs e mídias sociais ativas. 

Empresas que ainda não realizaram o registro de domínio na web estão ultrapassadas e ficando muito atrás no mercado.

Ter um site é fundamental para qualquer empresa do setor de turismo que deseja permanecer no mercado, pois é por meio dele que as pessoas irão encontrar o seu negócio e solicitar os seus serviços.

Além disso, com a pandemia, a internet passou a ser a principal ferramenta de indicações e busca por referências, principalmente quando se trata de viagens. 

Para criar um site, o primeiro passo é fazer o registro de domínio e contratar um bom serviço de web host de acordo com a demanda do seu tráfego. 

O registro de domínio é além de um fator essencial na criação de um site, como também muito importante para garantir a exclusividade da sua empresa na web, pois ao fazer o registro de domínio você protege o nome da sua empresa e gera ainda mais credibilidade no mercado.

Turismo online | A solução temporária na pandemia

O turismo online foi uma das grandes inovações que cresceram com a pandemia. Devido às restrições e do distanciamento social, poder conhecer novos lugares e novas culturas sem sair de casa foi uma alternativa encontrada por viajantes do mundo inteiro.

Com ferramentas como o Google Maps e o Youtube, é possível caminhar entre pontos turísticos e lugares paradisíacos de forma completamente online, apenas com acesso à internet. 

Alguns criadores de conteúdo e YouTubers também aproveitaram para investir nesse conteúdo e compartilhar lugares, compartilhando com as pessoas um pouco da sensação de viagem.

Esses vídeos, também conhecidos como “city walk”, são caminhadas que percorrem cidades ao redor do mundo e centros turísticos famosos. Com isso, muitas empresas de turismo estão investindo em passeios remotos, até mesmo com realidade virtual e realidade aumentada.

A tendência é que o turismo online cresça ainda mais nos próximos anos, principalmente como uma forma de os viajantes obterem uma prévia dos lugares desejados e organizarem um roteiro com mais precisão e autonomia.

Roteiros mais próximos

A tendência é que as pessoas procurem cada vez mais viajar para lugares próximos e destinos nacionais. 

Com as restrições da pandemia, os destinos mais próximos foram as únicas opções viáveis durante o ano de 2020, o que fez com que muitas pessoas apreciassem destinos nacionais pouco conhecidos.

Além disso, a pandemia fez com que as pessoas valorizem ainda mais destinos ligados à natureza e que proporcionam esse contato direto com o meio ambiente. 

Ao contrário do que acontecia há alguns anos, os destinos internacionais não são mais prioridade para a maioria dos viajantes, de acordo com dados da Booking.

A pesquisa publicada pelo Ministério do Turismo, aponta que 81% dos turistas brasileiros têm como prioridade viagens nacionais. Ou seja, o setor de turismo deverá investir ainda mais em destinos domésticos, principalmente no litoral brasileiro, que é colocado em destaque pelo levantamento.

Conclusão

A pandemia de 2020 deixou uma grande demanda coibida de viagens, o que irá refletir de forma expressiva no turismo pós-pandemia. 

Muitas pessoas passaram a valorizar ainda mais as viagens e irão viajar com mais frequência, principalmente como uma forma de compensar o tempo perdido.

Sendo assim, é muito importante que empresas e profissionais do setor de turismo estejam conectados às mídias digitais, atentos às tendências e demandas do público e busque seguir todos os protocolos de segurança recomendados pelo Ministério do Turismo. 

A retomada do turismo será gradual e lenta, pois é preciso restabelecer a confiança dos viajantes.

Fotos: Pixabay | banco de imagens
Texto: Vitoir Gonçalves / Prable