Coleção Especial é lançada na Biblioteca Nacional de Brasília

A Biblioteca Nacional de Brasília (BNB), equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), completa 13 anos de inauguração neste domingo (12) e anuncia como maior presente ao público o lançamento de sua coleção especial, composta de livros históricos, obras raras e material relativo à memória institucional. No acervo geral, a BNB dispõe de 31.169 títulos e 41.692 exemplares.

O acervo de livros especiais será lançado na terça (14),  no Canal do Youtube da BNB e no perfil da biblioteca no Instagram, e é formado pela “Coleção de Documentos Históricos Brasileiros” (94 títulos), voltada à memória nacional; a “Coleção de Obras Raras” (408 livros), formada por exemplares que possuem alguma particularidade notável; e a “Coleção Cultural”, de memória institucional, com publicações da Secec e que tiveram incentivo do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), com 60 obras.

Neste domingo (12), a BNB terá um dia especial. Com a presença do secretário Bartolomeu Rodrigues, receberá à tarde o Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro (OSTNCS) e depois haverá uma sessão de contação de estórias promovida pela Associação dos Amigos das Histórias

Esses livros poderão ser consultados por pesquisadores credenciados e exibidos ao público mediante agendamento. “Com a pandemia, conseguimos nos dedicar ao processamento das obras no software SophiA e organizar o acervo para possibilitar as consultas”, explica a bibliotecária Mariana Giubertti Guedes Greenhalgh, mestre e doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UnB).

Maior biblioteca da cidade, concebida no plano original de Brasília, de Lúcio Costa, e com projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer, a BNB coordena uma rede de 27 bibliotecas públicas no Distrito Federal. Há 31 anos abriga a mais importante política de estado de incentivo à leitura no país, o programa “Mala do Livro”, de bibliotecas domiciliares geridas por agentes de leitura voluntários, levando livros onde não há equipamentos.

Elisa Raquel, diretora da BNB, destaca o trabalho da biblioteca durante a pandemia, quando conseguiu oferecer diversões didáticas no formato de jogos virtuais “escape rooms”, serviço ligado ao espaço Geek – de gibis, jogos de tabuleiro e eletrônicos –; a migração para plataformas de reunião dos encontros mensais do Clube do Livro; a transmissão de palestras sobre incentivo à leitura e outros assuntos; e, recentemente, a retomada dos empréstimos de livros mediante agendamento pelo público.

Domingo de festa

Neste domingo (12), a BNB terá um dia especial. Com a presença do secretário Bartolomeu Rodrigues, receberá à tarde o Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro (OSTNCS) e depois haverá uma sessão de contação de estórias promovida pela Associação dos Amigos das Histórias.

Agenda 2030

Elisa anuncia, entre os desafios para o próximo ano, o esforço de ajudar a implementar a agenda 2030, da ONU, de melhorias culturais, sociais e ambientais amplas para o planeta. “Vamos fazer um planejamento de ações para contribuir com essa importante agenda mundial”, adianta. Em estágio ainda embrionário, o projeto começa com a contratação de uma consultoria para explicitar as iniciativas que a BNB pretende. Esse assunto será objeto de uma live na próxima segunda-feira (13), às 15h.

Ainda nas festividades, estão previstas a visita do Embaixador do Cazaquistão para doação de livros, no dia 13, às 10h, e a posse da nova diretoria da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil (AJEB), com o lançamento de coletânea editada pela entidade, no dia 15 (evento restrito a convidados). “Alegra-nos participar das comemorações da Biblioteca Nacional de Brasília, pois comungamos com seus ideais de sempre proporcionar cultura e conhecimento”, afirma a nova presidente da entidade, Margarida Drumond de Assis.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Foto: Acervo BNB
Texto: Agência Brasília